Bebê recém nascido

O que é Exterogestação?

Desenvolvida pelo antropólogo inglês Ashley Montagu, a teoria da exterogestação diz que a gestação humana dura na verdade 12 meses e não 9 , ou seja, esse acréscimo representa o período dos primeiros meses de vida do recém-nascido onde ocorre um novo mundo de experimentos longe do conforto e das “mordomias” do útero.

Quando está na barriga, o bebê não passa por apuros. Lá, ele tem alimentação constante, abrigo e está literalmente sempre perto da mãe. É um ambiente calmo, de luz baixa, seguro e perfeito para ali ficar.

O bebê humano é o mais frágil dos mamíferos, tão frágil ao ponto de precisar deste período de adaptação que simula as condições que ele tem no útero. Esse processo é feito com algumas ações que melhoram o dia a dia do bebê e contribuem para este período de adaptação.

Como fazer uma boa transição do bebê para a vida extra-uterina?

Fique bem pertinho! Mantenha o mais próximo possível o contato com o bebê: Deitar a criança junto ao peito e usar acessórios como o sling por exemplo, lembra a sensação de proximidade que acontece dentro da barriga e apesar de não gerarem a criança, esse contato próximo funciona também com os pais.

Olá, gravidade! Dentro da barriga o bebê literalmente flutua, não sente o próprio peso e ao nascer pode ser que alguns incômodos ocorram. Quando ocorrer uma das situações em que o bebê precise se acalmar, tente segurá-lo de lado ou de bruços. Importante: A OMS (Organização Mundial de Saúde) não recomenda que o bebê seja colocado para dormir na cama de bruços ou de lado(por ser uma posição instável e o bebê poder virar e ficar de bruços), e sim de barriga para cima.
Por isso, essa técnica deve ser usada apenas quando o bebê estiver no colo.

Que som é esse? Dentro da barriga da mamãe, o bebê escuta uma série de sons repetitivos e rítmicos que sinalizam a presença da mãe. Músicas suaves e até mesmo buscar na internet sons similares aos que ocorrem no útero, agradam o bebê e desenvolvem novos estímulos.

Luz baixa para lembrar aquele climinha da barriga. Evite deixar o bebê exposto a luzes vibrantes. A criança não está acostumada com muita luminosidade e isso agride os olhinhos que mal conseguem ficar abertos por muito tempo ainda. Por tanto, luz baixa e ambientes tranquilos para o pequeno ir se acostumando com a vida fora do corpo da mamãe.

Seu “pacotinho”! Uma outra ação que vai fazer o bebê lembrar do conforto do útero, é embrulhar o neném em uma mantinha como se fosse um pacotinho. Essa é uma alternativa para aquelas horas em que o colo não é possível e vai passar a sensação de acolhimento. Detalhes: Lembre-se sempre de verificar se a mantinha que faz esse “embrulho” no bebê está firme e bem presa, para que a criança não durma próxima a um pano solto. Um outro ponto é que essa é uma situação pontual, e não deve ser algo que ocorra por um tempo extenso.

Bebê recém nascido
Bebê recém nascido

Muito carinho, mamãe! O tato é um dos primeiros sentidos a ser despertado no bebê. Estimule a criança com o toque nos pezinhos, braços, na barriguinha e faça bastante carinho para que com esses estímulos, o bebê se sinta mais confortável fora da barriga e vá ganhando mais autonomia na vida exterogestacional.

Bom, como tudo o que é novo, a vida fora do útero é feita de processos, calma, paciência e adaptações. Tudo vai ocorrer bem e dentro do tempo certo. Este também é um período onde a amamentação por livre demanda é recomendada e isso significa que o bebê deve ser alimentado sempre que sentir fome.

Essas dicas ajudam no dia a dia da família com o recém-nascido e colaboram para maior conforto do bebê.

Você conhecia este termo? Tem mais dicas para trocar com as mamães da G7 Assessoria Previdenciária? Comente este post e fique a vontade para nos chamar nas nossas redes sociais 🙂

Um abraço carinhoso a todas as nossas mamães e até o próximo post! ♥

Compartilhe este artigo!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on google

Garanta seu auxílio maternidade

Fale com um especialista e descubra hoje se você pode ter direito ao benefício.

Posts Recentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *